O gaúcho de 59 anos que resgatou 300 pessoas de caiaque - sem saber nadar: ‘Não posso me deprimir diante da tragédia’. - A Voz da Região

Agora

terça-feira, 14 de maio de 2024

O gaúcho de 59 anos que resgatou 300 pessoas de caiaque - sem saber nadar: ‘Não posso me deprimir diante da tragédia’.

Brizola nunca tinha andado de caiaque antes de iniciar resgate de pessoas em Porto Alegre — Foto: FERNANDO OTTO/BBC NEWS BRASIL

Em seus 59 anos de vida, o gaúcho Ivan Brizola nunca aprendeu a nadar. Mas quando fortes enchentes atingiram o Rio Grande do Sul neste mês, ele pediu emprestado um caiaque - que também nunca tinha usado - e saiu resgatando pessoas em meio à inundação.

Brizola conta à BBC News Brasil que já estava preocupado logo no início das chuvas. Morador da capital gaúcha, ele ouviu de amigos que trabalham com segurança alertas de que o risco era iminente e sentiu que precisava fazer alguma coisa.

Começou ligando para amigos e parentes avisando sobre os perigos que todos iam enfrentar.

Quando o “caos se instalou” e a “água começou a tomar conta dos bairros”, ele pediu o caiaque do dono da barraquinha de peixe da feira em frente à sua casa e foi de carro até Canoas, cidade que tinha sido fortemente atingida. Sua própria casa, em Porto Alegre, não tinha sido afetada.

Sem roupas ou nenhum equipamento de resgate além do caiaque, ele foi aprendendo a manusear a embarcação já no meio da inundação.

“Eu fui meio surpreendido com o que eu conseguia fazer no caiaque”, conta ele, que diz ter uma ótima condição física por ter lutado kung fu ao longo da vida. Professor por formação, hoje ele trabalha com treinamento de cachorros, shows e tratamentos de saúde para crianças com ajuda dos bichos.

No segundo dia de resgates, quando ajudava pessoas no bairro de Mathias velho, ele olhou para baixo, através da água, e viu que lá no fundo estavam os transformadores dos postes de luz.

“A água chegou a oito, quem sabe dez metros de profundidade. Então é muito alto isso, né?”, calcula.

Fonte: G1.

Nenhum comentário:

Postar um comentário