Com queda nos preços de produtos básicos, consumo das famílias no supermercado aumentou em 2023 - A Voz da Região

Agora

sábado, 27 de janeiro de 2024

Com queda nos preços de produtos básicos, consumo das famílias no supermercado aumentou em 2023


  Uma pesquisa divulgada pela Associação Brasileira de Supermercados mostrou um aumento do consumo das famílias brasileiras ao longo de 2023.

"Suco de uva integral baixou de R$ 14,50 para R$ 9,98". É só o locutor anunciar a oferta que os clientes aparecem.

"A gente fica aqui nas promoções, agora mesmo eu falei para o moço: 'Para de fazer promoção, se não não vou sair'. Toda hora tem uma promoção", diz a enfermeira Simone Stief.
Segundo uma pesquisa da Abras, a Associação Brasileira de Supermercados, o consumo nos lares aumentou 3%, em 2023. De novembro para dezembro, a alta foi bem mais expressiva: 18%, o maior resultado registrado de um mês para o outro em 2 anos.

"Festas fim de ano, Natal, acho que a gente consome mais. 13º entra, e outras gratificações, a gente acaba gastando um pouco mais", diz a enfermeira Marilena Lessa.
Para os economistas, os principais fatores que contribuíram para o aumento no consumo em dezembro foram repasses como o Bolsa Família, o auxílio gás, o lote residual de restituição de Imposto de Renda e a segunda parcela do 13º.

"O desemprego teve uma queda, isso foi bastante positivo, principalmente no final do ano, porque a parcela do 13º foi fundamental e grande parte desse valor foi para o consumo", afirma Marcio Millan, vice-presidente da Abras.
Segundo a pesquisa, em 2023, o carrinho no supermercado saiu mais cheio também por causa de um outro motivo: a queda nos preços de alguns produtos básicos, que fazem parte do nosso dia a dia.

A Abras fez um levantamento da cesta composta pelos 35 produtos mais consumidos nos supermercados. Mesmo com uma alta em novembro e dezembro, a cesta fechou o ano mais barata, caiu 4,22%. Foi a maior queda registrada no acumulado do ano desde 2017.

"Óleo de soja metade do preço, menos da metade do preço", comenta uma consumidora.
Óleo, feijão, farinha de trigo e leite longa vida ficaram mais baratos. Por outro lado, o preço de produtos como arroz e açúcar aumentou.

"Eu senti que ficou um pouco mais alto, mas aquelas coisas que a gente comprava de vez em quando, um refrigerante, um suco, uma besteirinha, está mais acessível", diz o contador Samuel Henrique.
"Houve procura maior pelos produtos de menor preço, porque ,hoje, o consumidor tem as escolhas de marcas e preços, e a gente percebeu que ele escolheu produtos com preço menor", acrescenta Marcio Milan, da Abras.
Sempre vale pesquisar e organizar a velha e boa listinha. É o que o Ernesto Kropf e a esposa fazem. Tem dias que funciona, em outros...

"Ela fez uma listinha. Aumentou um pouco algumas coisas, frigideira ai que ela achou interessante. Isso tudo é para comemorar meus 78. Um abraço para todos", diz Ernesto.

Fonte: G1

Nenhum comentário:

Postar um comentário