Jundiaí - Noiva de ciclista morto em acidente fala sobre tragédia: 'Dor que nunca imaginei sentir' - A Voz da Região

Agora

quinta-feira, 22 de setembro de 2022

Jundiaí - Noiva de ciclista morto em acidente fala sobre tragédia: 'Dor que nunca imaginei sentir'

Com informações do portal G1 - "É uma dor que eu nunca imaginei sentir. A gente não vem com essa programação de ficar viúva tão cedo", desabafa Stéphanie Borin, de 27 anos, noiva do ciclista morto em um acidente no último domingo (18), em Jundiaí (SP).

Eles pedalavam juntos quando uma caminhonete colidiu frontalmente com Jean Felipe Dib Rezzaghi, de 31 anos, no bairro Pinheirinho. O motorista estava com a carteira de habilitação vencida e admitiu ter ingerido bebida alcoólica antes do atropelamento. A Polícia Civil investiga o caso.

Ao g1, Stéphanie explica que presenciou o momento em que o motorista veio na via oposta, em alta velocidade, e se chocou violentamente contra Jean.

"No momento do acidente, estávamos na mão certa, e o Jean em uma velocidade normal de ciclista. Na verdade, ele estava em ritmo reduzido, porque eu ando mais devagar e ele nunca me deixava para trás".

"Infelizmente, a gente só consegue prezar pela nossa vida. A gente não consegue controlar como os motoristas andam", lamenta a jovem.

Ela conta ainda que eles pedalavam juntos havia um ano em todos os sábados e domingos. "O Jean sempre foi muito cuidadoso andando de bicicleta e ainda mais cuidadoso quando pedalava comigo. Sempre andamos no sentido certo e no canto das vias, porque os carros realmente não respeitam o ciclista", diz.

"Estávamos muito próximos, então, eu vi tudo o que aconteceu. A batida foi muito grave. O barulho foi muito forte. O corpo sofreu muito sangramento", comenta.

Stéphanie conta também que, ao perceber a presença da caminhonete vindo na direção dela e de Jean, se jogou da bicicleta, caiu no chão e, imediatamente, percebeu a gravidade da colisão que havia atingido o noivo. Ligou para o atendimento da Polícia Militar, que acionou o Corpo de Bombeiros. Segundo ela, o socorro chegou rapidamente para tentar reanimar Jean, que acabou morrendo no local.

"Ele [motorista] não prestou nenhum tipo de apoio no momento do acidente. Ele não ligou nem para pedir socorro. E eu gritei tanto e tão alto, de desespero, e ele [motorista] pareceu irritado comigo", recorda.

"Não sei se era traço da personalidade dele ou se não estava 100% consciente, mas eu senti que ele não tinha noção de que ele tinha matado uma pessoa", conta Stéphanie.

Ela lembra que um casal que passava pelo local de carro antes da chegada dos bombeiros parou o veículo e mostrou solidariedade a ela. "Uma senhora muito religiosa parou e me confortou naquele momento. Em seguida, eu liguei para a minha mãe, que foi ao meu encontro".

Paixão em comum

Stéphanie diz que ela e Jean - juntos por dez anos - descobriram na pedalada uma paixão em comum. "Encontramos um esporte que o dois estavam dispostos a se dedicar e isso nos uniu muito. Era o nosso tempo de lazer junto. A gente preparava o final de semana para isso. Nunca gostamos de acordar cedo, mas a rotina com a bicicleta mudou nossos dias", conta.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Notícias relacionadas

'; (function() { var dsq = document.createElement('script'); dsq.type = 'text/javascript'; dsq.async = true; dsq.src = '//' + disqus_shortname + '.disqus.com/embed.js'; (document.getElementsByTagName('head')[0] || document.getElementsByTagName('body')[0]).appendChild(dsq); })();