Menino de Jundiaí que perdeu trufas ao receber nota falsa ganha estágio em fábrica de chocolates - A Voz da Região

Agora

terça-feira, 27 de julho de 2021

Menino de Jundiaí que perdeu trufas ao receber nota falsa ganha estágio em fábrica de chocolates

O adolescente de 13 anos que perdeu todas as trufas após uma mulher comprar os doces com uma nota falsa de R$ 100 foi surpreendido com o convite de estagiar em uma fábrica de chocolates a partir do ano que vem. A vaga foi concedida para o menino após o caso viralizar nas redes sociais. Com a repercussão do acontecido em maio deste ano, João Victor Jesus também recebeu doações de moradores de várias partes do país.

Caso repercutiu e uma fábrica de chocolate ofereceu estágio para o menino, que deve começar quando completar 14 anos

A jundiaiense mãe do jovem, Priscila Lima, de 33 anos, contou que ela conseguir pagar as dívidas da família com o valor arrecadado para a família com as doações. Ela diz que também pretende investir em cursos para o garoto. “Ele deve começar a trabalhar assim que completar 14 anos. Ele faz aniversário no final do ano. A empresa não especificou como vai ser ainda, mas é uma grande oportunidade. A fábrica também forneceu uma ajuda de custo para ele”, disse.

Segundo Priscila, o adolescente continua vendendo trufas no semáforo e estudando. Além das doações, João e os quatro irmãos ganharam tratamento odontológico durante um ano, que está sendo fornecido por dois dentistas da cidade. O menino também conseguiu uma bolsa para treinar futebol com o time do Paulista de Jundiaí. A primeira aula ocorreu no dia 20 de junho.

Sobre o caso

O segurança Sandro Moraes, que trabalha em um mercado na região do Bairro do Retiro, foi abordado pela criança na no dia 27 de maio. Na ocasião, o menino pediu ajuda para saber se a nota que havia ganhado era falsa. “Na hora que peguei já vi que era uma falsificação muito grosseira. Era a mesma coisa de ter colocado numa impressora e feito uma cópia. Ele deve ter ficado feliz com a venda e não percebeu”, disse Sandro.

Segundo o segurança, após o menino pedir ajuda, ele levou a cédula para um fiscal fazer testes. Muitos elementos, como a marca d’água, não existiam. A tristeza do menino chamou atenção do funcionário. Ainda no mercado, o adolescente quis deixar a nota como exemplo para que as pessoas que trabalham no caixa não caíssem também no golpe. “Foi honesto, não agiu de má-fé e ainda quis ajudar o pessoal. Acredito que a pessoa que repassou será difícil achar, mas, quando colocar a cabeça no travesseiro, vai bater a consciência”.

Na época, em maio, a mãe do menino contou que o filho costuma comprar doces para revender e ter uma renda extra própria. “Ele já pegou algumas outras vezes [notas falsas] e rasgamos quando percebemos que tinha algo errado. Também não posso afirmar que a motorista tenha feito isso de maldade, porque ela também pode não ter percebido”, disse a mãe, que conta que o adolescente estuda em uma escola da região e no tempo vago gosta de vender os doces. Não foi registrado boletim de ocorrência sobre a nota dada ao menino.

“Eu sempre sei onde meu filho está e às vezes ele compra alguns alimentos para a casa com o dinheirinho dele”, ressaltou.

(Fonte: G1 / Imagem: Arquivo Pessoal)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Notícias relacionadas